ÓTIMO TEXTO

Direto do blog Epichurros.

__________________________________

Obrigado por tudo, Coaracy….

Publicado em 28 de janeiro de 2013 por rcordani

O ano era 1984 e a politica da natação brasileira estava em polvorosa. As eleições para a presidencia da CBN (posteriormente CBDA) estavam para acontecer, e o candidato favorito Ruben Márcio Dinard representava o continuísmo, sendo nada mais nada menos do que o FILHO do então presidente Ruben Dinard, que por sua vez estava completando 25 anos de direção da natação brasileira. Vinte e cinco anos! Mas pelo menos havia um candidato de oposição, na pessoa do Coaracy Nunes Filho. O Jornal Aquática entrevistou profunda e democraticamente os dois candidatos, e deu um editorial francamente favorável à renovação proposta por Coaracy. Pinço um trecho do editorial escrito por Guilherme de Lamare:

“Objetivamente, estamos presenciando uma disputa entre o continuísmo e a renovação, e por mais que o primeiro (RMD) tenha espírito inovador, jamais terá tamanha fome de mudança quanto o segundo (CNF). E uma mudança profunda é o que mais nos interessa no momento, pois temos pressa na modernização, ainda que os resultados não sejam imediatos.”

O próprio Coaracy durante a entrevista pronunciou essas belas palavras: “Não é uma reação pessoal ao Dr. Dinard, cujos méritos reconheço nesses 25 anos em que dirigiu os esportes aquáticos brasileiros, mas uma reação a essa situação desoladora que esses esportes encontram-se, pois entendo que é hora de mudar para melhor, para dar mais esperanças aos nossos atletas.“

Relendo a entrevista, não pude deixar de reconhecer o valor político e a força dessas palavras. Não obstante, Coaracy perdeu essas eleições, e só foi vencê-las três anos depois para finalmente se tornar o presidente da CBDA.

Belas palavras do nobre candidato em 1984.

De minha parte, não é hipocrisia nem exagero dizer que tenho muito carinho pela pessoa do Coaracy. Em TODOS os quatro momentos-chave da minha semi-peba carreira de nadador ele estava lá. Mandou uma carta quando venci o meu primeiro (e único) brasileiro. Estava no pódium das minhas duas medalhas de TB (aqui e aqui) e também na minha única medalha de Finkel. Coaracy mostrou para nós atletas que um dirigente não precisava ficar de cartola no camarote, ele efetivamente ficava na beira da piscina, torcia, vibrava. Manjava de natação. A natação brasileira conquistou na sua gestão nove medalhas olímpicas, contra três do período Rubem Dinard (o pai), e muito, mas muito mais finais olímpicas. Temos dois recordes mundiais de longa vigentes! O pólo aquático não evoluiu muito, mas o nado sincronizado e os saltos ornamentais apresentaram sensível melhora nesses últimos 25 anos. Acho que todos que conviveram na natação competitiva concordam comigo que “vibração” era sinônimo de Coaracy Nunes Filho.

Cartinha que recebi do Coaracy em 1987 e que, na época, me deixou bem contente e motivado!

Então eu e a natação brasileira temos muito a agradecer!

Obrigado Coaracy.

Corta para 2013. A situação da natação brasileira hoje não é boa.

– Somos o país campeão mundial do doping no ano passado. Corremos sério risco de sermos cortados de competições internacionais.

– Falta de transparência e critérios em todas as ações executivas e financeiras realizadas pela CBDA.

– Há cada vez menos atletas nos brasileiros infantis, juvenis e juniores.

– Muito dinheiro é recebido de patrocínio estatal, e grande parte desse dinheiro vai para os atletas já consagrados, com pouco investimento na base.

– As piscinas estão em frangalhos (aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), com as notáveis exceções que confirmam a regra.

– Os critérios para convocações das seleções são jurássicos. Por que não fazer diferente?

– A natação feminina patina.

– Os atletas brasileiros preguiçosamente se concentram em provas curtas e, pior, em provas curtas não olímpicas!

Mesmo com esse cenário, por que não surgem ao menos candidaturas de oposição? Por que é muito difícil (para não dizer impossível) conseguir sequer se candidatar ao cargo. Maiores detalhes sobre essa dificuldade aqui.

Diante do exposto, gostaria de parafrasear as belas palavras do então candidato de oposição em 1984, Coaracy Nunes Filho, e repeti-las em alto e bom som, naturalmente com uma única alteração:

“Não é uma reação pessoal ao Dr. Dinard Coaracy, cujos méritos reconheço nesses 25 anos em que dirigiu os esportes aquáticos brasileiros, mas uma reação a essa situação desoladora que esses esportes encontram-se, pois entendo que é hora de mudar para melhor, para dar mais esperanças aos nossos atletas.“

Em outras palavras: obrigado por tudo, Coaracy. Muda CBDA.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *