QUE “MEDO”…!!!

Todos sabem que sou contra o Brasil sediar um evento de mais de 30 bilhões, enquanto seu povo não tem o mínimo em infraestrutura, saúde, educação, saneamento básico, lazer e desporto.

Para “somar” à minha tese contrária, ao invés de utilizarmos o que já temos, iremos construir tudo novo, para super-faturar e depois deixar os locais “jogado às traças”, pois a manutenção é muito dispendiosa (VEJAM AS IMAGENS CHOCANTES AO FINAL DO POST).

Aliás, como já ocorre com algumas obras no PAN 2007 e também como ocorreu com a Grécia após os Jogos de 2004 – Para maiores detalhes de como está Atenas 8 anos depois dos Jogos, clique AQUI (mais cuidado pra não chorar, as imagens são fortes, eu fiquei extremamente triste)

Enfim, para não perdermos o foco do post de hoje (MEDO), quero dizer que, depois de participar em Sydney 2000, e ver a grandiosidade de Pequim 2008 e a organização e pontualidade de Londres 2012, estou com medo (pra não dizer vergonha), do que será feito no Rio em 2016.

– Como será a chegada dos 15.000 atletas diante da precariedade de nossos aeroportos?

– De que forma enfrentaremos os nítidos problemas de transito vivenciados na Cidade Maravilhosa?

– Conseguiremos acomodar todos confortavelmente?

– Iremos terminar, com o mínimo de estrutura e conforto, as instalações para as competições?

– Qual maneira iremos lidar com a venda de ingressos (cambistas, falsificações)?

– Teremos uma estrutura viável para abrigar os visitantes e torcedores?

– Haverá segurança para todos (atletas e turistas)?

Enfim, essas são apenas algumas questões que devem ser levantadas e que na minha opinião não terão resposta, porque na hora “H”, damos o jeitinho brasileiro.

Pela televisão, através de câmeras de alta definição e jogo de luzes e imagens, talvez veremos uma olimpíada “bem bonita”. Mas será que o bonito basta?!

Digo que tenho medo, pois não gosto de receber visita na minha casa, se ela está desorganizada, suja e se não posso acomodar meus convidados confortavelemente. E o Brasil é a extensão das nossas casas, é nossa pátria. Gostaríamos de oferecer o melhor aos visitantes, mas sabemos que isso não será possível…

As instalações ficarão prontas nas vésperas (se é que ficarão prontas), e isso vai ocorrer, porque, além de faltar planejamento, o estádio de custa 5 milhões, terá um desembolso de 10 milhões, que não será aplicado em material e mão de obra de boa qualidade, pois deve-se economizar nesse aspecto, para que sobre mais no “outro aspecto”… Tal qual as contas do PAN 2007 fazem prova e nunca foram esclarecidas…

Lamentável… Por mais que eu seja um amante do esporte, tenho todos esses receios. E é CLARO que vou acompanhar e torcer, pois esse amor pelo esporte e pelo Brasil está nas minhas veias…

Mas gostaria que não fosse aqui… não dessa forma… não com “aqueles” políticos e responsáveis… Não com o povo passando necessidade…

E não com a ilusão de que simplesmente sediar uma olimpíada resolve os problemas do esporte nacional.

UM ABRAÇO!

FISCHER.

p.s.: como era o parque aquático em Atenas…. e como está hoje…

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *