BOAS NOVAS NO ATLETISMO…

Tenho muitos amigos que fazem, ou fizeram, parte do time olimpico (para-olímpico) brasileiro de atletismo…

Todos muito felizes com a “troca” de seu mandatário “programada” para o ano que vem…

Futebol e Atletismo recentemente… alguns anos atrás, tênis e basquete… creio que a natação também pode! Não podemos perder a esperança…

UM ABRAÇO!

FISCHER.

Direto do Blog do Alberto Murray:

O presidente eleito da Confederação Brasileira de Atletismo, José Antonio Martins Fernandes, o Toninho, deu, hoje, boa entrevista ao jornal Folha de São Paulo. Depois de anos de trevas, de desesperança, de servilismo e vassalagem, o depoimento daquele que será o novo comandante do atletismo do Brasil é um ponto positivo na modalidade.

Não é de hoje que conheço o Toninho. Em várias oportunidades já tivemos oportunidades de debater longamente questões do esporte. O que o Toninho disse hoje à Folha são idéias que há muito ele defende. Concordo quando ele diz que os organizadores dos grandes eventos estão muito preocupados com o concreto, com obras, enquanto deveriam atentar para a formação de pessoas, o legado humano.

Também aprecio a idéia de realizar uma reunião entre o presidente da Confederação Brasileira de Atletismo e o Ministro da Educação para discutir o esporte na escola. É isso que sempre defendi. Aí está a solução do esporte brasileiro. Vale notar o que comigo comentou o experiente José Cruz sobre essa iniciativa. Escreve-me o excelente jornalista que para a Pasta da Educação elaborar um projeto educacional esportivo, a ordem deveria vir de cima, do Palácio do Planalto. É verdade que o Ministério da Educação tem, ao longo de vários anos, tratado o esporte como algo totalmente dissociado da educação. E essa mentalidade tem que mudar.

Espero que as declarações a atitudes do Toninho não despertem a ira dos cartolões do esporte. Eles são implacáveis com quem “ousa” traçar novas diretrizes para o esporte e por em risco o establishment.

Pena que o novo presidente do atletismo só assuma daqui a aproximadamente um ano, na transição mais longa da história imposta por Gesta de Melo. Nem no Iêmen, cujo ditador negociou sua saída com a oposição, pretendeu um período de transição tão duradouro.

Mas já que é assim, sugiro ao Toninho que aproveite esse período para debater com a sociedade, democraticamente, os melhores rumos para o ateltismo brasileiro. E elaborar um plano de governo que nos faça recuperar os anos perdidos da era Gesta de Melo. Que novos ares soprem em direção do nosso esporte base.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *