PREOCUPAÇÃO COLETIVA…

A preocupação do Coach, é a nossa também!

ABRAÇO!

FISCHER.

“Fazia muito tempo que não se vivia uma situação como esta. Vir para um Campeonato Brasileiro Absoluto e o pior, seletiva olímpica, e vivenciar tantos problemas com a cronometragem eletrônica.

Os diversos problemas até agora acontecidos deixaram a todos (sem exceção) preocupados com a precisão e capacidade de registrar os tempos corretos para este Troféu José Finkel.

No primeiro dia de finais, foi a semifinal dos 50 livre feminino que teve todos os seus tempos da primeira série não registrados. A prova teve de ser repetida.

No segundo dia, o placar conseguiu apontar um nadador como campeão e que visivelmente ele não estava na disputa. Fernando Ernesto Santos não venceu os 200 livre, mas ninguém, ninguém mesmo acreditou que ele chegou em quinto lugar com 1:52:00.

Já na prova anterior, os 200 livre feminino, Jessica Cavalheiro do Minas ainda estava em terceiro lugar na altura dos 150 metros quando o placar já indicava ela na primeira posição.

Na semifinal dos 100 peito masculino, primeira série, Felipe Lima do Minas liderou a prova toda mas no placar ele passou em segundo lugar na altura dos 50 metros.

Nas eliminatórias do terceiro dia foi a raia 2 que indicou problemas durante a prova dos 50 costas.

A arbitragem está a mercê desta situação. Segundo o árbitro geral, Jefferson Borges, este placar é novo.

O sistema Colorado só foi utilizado quatro vezes e pertence ao Minas Tênis Clube. Ele ainda informa que o sistema tem sido calibrado a cada intervalo da competição. As placas da Colorado são calibradas com ar e um possível vazamento das mesmas não está fora de cogitação.

A grande preocupação de todos é ter algum resultado que não seja correto aferido e registrado num sistema que tem deixado dúvidas.

A partir destes incidentes, todos treinadores, todos, estão utilizando seus cronometros e de olho no placar, neste ninguém confia”.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *