MUDANÇAS…

O post de hoje é nostálgico… Quase um desabafo…

Eu não vou negar… o que esporte me proporciona no momento atual, é, no mínimo, estranho…

Desde que me conheço por “gente”, meu mundo gira ao redor de uma piscina.

Iniciei, lá atrás, com apenas 6 anos na escolinha de natação do Joinville Tênis Clube, aquilo que seria a minha vida!

Sim… Dos meus 31 anos de vida, pelo menos 20 deles, eu dediquei ao esporte!

Se você levar em consideração que do meu nascimento, até meus 11 anos, minha obrigação era praticamente estudar e brincar, posso afirmar que minha vida “adulta”, até agora, foi movida pela natação…

E mais! Dos 5 aos 11, quando eu não estava na escola, eu estava na aula de natação… e quando eu não estava na aula de natação, eu estava brincando… e sabe onde? Na piscina!

É muito interessante, após um certo amadurecimento, fazer essa retrospectiva.

Sempre fui muito competitivo. Aprendi a ganhar muito cedo, mas aprendi a perder um pouco mais tarde do que acho que seria satisfatório… Sempre odiei perder… E ainda odeio! Mas agora compreendo e assimilo a derrota muito melhor do que eu fazia antes.

Tornei-me campeão brasileiro Júnior com 17. Primeira seleção com 18. Campeão Brasileiro Absoluto com 20. Fui aos Jogos Olímpicos com os mesmos 20. Semifinal de Mundial com 21. Medalhista de Mundial com 22. Pan-americano com 23. Com 24, outra Olimpíada, agora semifinalista. Várias medalhas em Copas do Mundo. Durante 6 anos eu não sabia o que era perder ou ficar fora de um pódio em Campeonatos Brasileiros Absolutos.

Querendo ou não, você acaba se acostumando com as vitórias e sucessos esportivos… E vou estar mentindo se eu disser que não era bom… Era DEMAIS!

Agora com 31 anos, depois de duas lesões sérias e tantas outras menores que perdi a conta, tenho que suar e dar meu máximo para chegar em 7o colocado em um Campeonato Brasileiro Absoluto.

“Ah Fischer! É cíclico…! Normal! Faz parte da vida do atleta”!

Eu sei! Tudo isso eu sei… E até compreendo! Mas vou estar mentindo se eu disser que não é ruim… É MUITO RUIM!

Uma sensação estranha… difícil de explicar…

Obviamente que hoje eu não treino como treinava antes… Vejo-me obrigado a dividir meu foco esportivo com outros assuntos mais importantes tais quais como: casamento, trabalho, estudo, família, futuro profissional, etc…

Mas mesmo assim, mesmo sabendo que não posso exigir de mim os mesmos resultados de antes… eu sinto-me estranho por não subir ao pódio.

Ao mesmo tempo (e aqui finalmente chego onde queria com esse post), fico feliz por ainda ser respeitado em um ambiente de Natação Competitiva.

Talvez por meus resultados passados, talvez por minha postura polêmica e batalhadora… Não sei… Mas a verdade é que vejo sinceridade nos olhos de muitas pessoas que me estendem a mão quando na borda de uma piscina em um Campeonato Brasileiro.

E é essa sinceridade que me motiva a ser uma pessoa melhor a cada dia, e que me dá a certeza de que se eu pudesse voltar no tempo, não faria nada de diferente em minha vida…

MUITO OBRIGADO!

UM ABRAÇO!

FISCHER.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *