APOSENTADORIA

Qua palavra forte, não?! Parece que estou velho…

Já estou na frente do CPU há umas 2 horas… Tá difícil de sair algo sobre o tema acima…

Bom, lá vai!

Eu não falei para quase ninguém… Não quis fazer um alarde, e nem quis avisar a imprensa ou televisão… Até porque, cá pra nós, isso não é lá matéria de capa, né?!

E também tem outra: não é algo muito fácil de enfrentar… Dá uma coisa ruim no peito só de pensar e lembrar…

Mas alguns amigos não resistiram e pediram para anunciar ao microfone no final da competição… depois vieram alguns abraços… e então confesso: conter as lágrimas foi IMPOSSÍVEL!

Eu não tive nenhuma daquelas carreiras impressionantes, que viram filme na TV e marcam a vida de todos para sempre. Eu não conquistei nenhuma medalha olímpica, apesar de ter participado de duas, e também não quebrei nenhum recorde mundial, apesar de ter ido à 6 torneios mundiais; Mas creio que contribui positivamente para o esporte brasileiro, e trouxe algumas alegrias àqueles ao meu redor, com medalhas internacionais e alguns recordes batidos.

Engraçado, as vezes nós tocamos algumas pessoas e nem nos damos conta disso. No sábado, antes de eu cair na água pela “última” vez, um jovem atleta, que conheço bem (mas não tanto assim), e que inclusive está na briga para Londres 2012, chegou próximo a mim – ainda ofegante após ter saído da piscina – e perguntou: Cara, é verdade que você vai parar?!

Quando eu respondi a ele positivamente, a resposta foi imediata:

– Não, você não pode parar, você é o Fischer. Você é o cara! Você tem que ficar por aqui e liderar essa P**** toda!

Caro amigo, se você soubesse o quanto essas palavras foram importantes para mim…

Saiba que nesse exato momento sinto dificuldades em conter as lágrimas…

E se você estiver lendo esse post agora, você sabe quem você é, e o que eu estou dizendo… E por isso eu lhe respondo do fundo do coração: MUITO OBRIGADO.

Dando prosseguimento e mudando de saco pra mala, lembro que quando fui à minha primeira olimpíada (2000), o nado peito no Brasil era o mais fraco, e hoje é um dos fortes do país (senão o mais forte), onde até o momento, temos 4 atletas com índice para os jogos de Londres 2012.

Mas talvez eu deixe um legado não só pelos meus resultados, mas pela minha personalidade, por ser MALA mesmo… hehehe… Por sempre procurar um outro argumento, outra opinião, outra maneira de fazer o esporte melhor.

De qualquer forma, não quero me estender muito nesse post, por isso não vou ficar aqui dando uma de “saudosista nostálgico”, relembrando meus tempos e resultados (“Ah, mas no meu tempo de glória…), por que ninguém merece…

A única coisa que quero deixar bem claro à toda comunidade aquática (e para infelicidade do comandante da CBDA), é o seguinte:

PROMETO CONTINUAR BATALHANDO PARA UMA NATAÇÃO MELHOR!

E não sei se vou obter êxito nessa empreitada, mas vou fazer o meu melhor, como sempre fiz e vou fazer em minha vida!

Encerro esse post agradecendo todos os amigos que fiz durante minha carreira nas piscinas, mas principalmente àqueles que no sábado vieram até mim, me abraçaram e disseram palavras bonitas de conforto. Não sou dado à pieguices, mas nesses momentos, um filme passa na cabeça, e muitos sentimentos afloram.

MUITO OBRIGADO MESMO!!!

UM GRANDE ABRAÇO!

FISCHER.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *