QUE VERGONHA SR. PRESIDENTE…

Como eu disse aos amigos em post anterior, o “déspota” que “preside” a confederação (CBDA), nem sempre é muito diplomático… Ou diria, educado.

Desta feita, tentou ditar as regras a imprensa brasileira… Ameaçando o repórter (Eduardo Zobaran), caso ele publicasse sua frase sobre nosso campeão Cielo.

Que papelão. Teve coragem de dizer ao jornalista: “— Se escrever isso, você está ferrado comigo”. Referindo-se a frase: Cielo deve sentir no bolso para aprender”.

Será que EU é que estou errado, ou nosso ditador é que tá achando que é o dono do mundo?!

Mas meu xará, Eduardo Zobaran, profissional que trabalha para o joral “O Globo”, creio que não está com muito medo do Sr. Presidente da CBDA, e mesmo assim publicou sua frase infeliz…

Segue a matéria do Edu.

p.s.: Caro Eduardo. Não lhe conheço pessoalmente, mas fica aqui meus parabéns pela sua matéria! Muito boa!

UM ABRAÇO!

FISCHER.

______________________________


OURO, HISTERIA E MAL-ESTAR

Por Eduardo Zobaran

Logo após vencer os 50m livre, em 21s 16, na etapa carioca da Copa do Mundo de Natação em piscina curta (25m), Cesar Cielo ouviu parte da torcida no Parque Aquático Maria Lenk, na Barra da Tijuca, cantar: “Ão, ão, ão, Cielo é do Mengão”. Não demorou muito e o grito foi trocado por “Cielo é nosso rei”. Se citações ao rubronegro foram abafadas na arquibancada, nos bastidores o símbolo do clube criou um mal-estar entre a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) e seu principal patrocinador.

Ao fim da competição, a diretora de Marketing dos Correios, Graziela Cavaggione, esteve com o presidente da confederação, Coaracy Nunes, e reclamou que Cielo utilizara um agasalho do Flamengo, com a logomarca de patrocinadores pessoais, em vez de vestir um da CBDA, usado por atletas da seleção em competições entre países, como era o caso da Copa do Mundo.

— Ele pode não precisar da nossa bolsa hoje, mas é ela que paga os custos, como os de hospedagem, durante as viagens internacionais — disse Cavaggione a Coaracy, que respondeu que Cielo deve “sentir no bolso para aprender”.

Uniforme é obrigatório Indagado sobre a reclamação, Coaracy — que concedia entrevista à reportagem do GLOBO antes de interrompê-la para falar com Cavaggione — tentou negar o ocorrido. E afirmou, irritado: — Se escrever isso, você está ferrado comigo.

Pouco depois, mais tranquilo, foi à procura da reportagem para explicar que 40 atletas da seleção brasileira — entre eles, Cesar Cielo — devem utilizar uniformes da CBDA em competições em que representam o Brasil. E negou mais uma vez que tenha qualquer problema pessoal com Cielo.

O nadador do Flamengo não foi o único a usar uniforme do seu clube no Maria Lenk. Outros atletas de ponta fizeram o mesmo, como Joana Maranhão, que ganhou três medalhas de ouro na competição e usou a touca do Minas Tênis Clube no sábado.

Já a assessoria de imprensa de Cielo informou que Flávia Cielo, mãe do nadador, não iria se pronunciar sobre o episódio.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *