“DESOBEDIÊNCIA CIVIL”

Muitas pessoas acham que quando você é contrario a opinião de alguém, isso faz de você um inimigo dessa pessoa.

Debater e discutir, ou ter uma opinião contraria, não significa necessariamente uma briga… Pelo contrário, creio que debates são extremamente saudáveis para chegar-se em um “senso comum”.

Se todos concordassem com tudo o que é dito ou feito no mundo, nós estaríamos achando ainda que a Terra era plana, chata ou quadrada, e que o sol girava em torno do nosso planeta. Precisou que uns “carinhas” chamados Galileu Galilei e Nicolau Copérnico, rompessem alguns paradigmas e afirmassem que o planeta Terra era, na verdade, redondo e o sol era, de fato, o centro do Sistema Solar.

Tudo bem que Galileu foi condenado a prisão e teve que jurar perante todos que suas idéias estavam erradas para não ser morto pela igreja católica, mas é exatamente nesse ponto que eu quero chegar.

Será que todas as leis existentes são perfeitas? Será que devemos aceitar tudo é dito e feito? Será que as pessoas que estão no poder de alguma função importante sabem tudo e não precisam avaliar suas decisões? Devemos então ficarmos calados e aceitar tudo como correto?

Ora, porque existe o Poder Judiciário então? Não é também para dirimir conflitos existentes sobre interpretação da lei? Ora, se a lei admite distintas interpretações, é porque as vezes existem falhas, afinal, quem faz as leis é também alguém imperfeito, ou seja, um ser humano.

Esse final de semana que passou eu assisti ao filme “The Great Debaters”, com o Denzel Washington. Um filmaço! Recomendo a todos.

O Filme é um drama baseado em fatos reais sobre o a vida do professor negro Melvin B. Tolson, de uma universidade do Texas, a Wiley College Texas (universidade somente de negros). Em 1935, Tolson influenciou seus alunos a formarem o primeiro time de debate para desafiar a tradicional Universidade de Harvard (universidade exclusiva de brancos) em uma competição nacional de conhecimentos.

O debate final do filme tem como tema a “Desobediência Civil”. Onde Harvard defende que a lei nunca deve ser desobedecida.

O que não devemos confundir é desobediência civil com violência. Na verdade, uma coisa não tem necessariamente correlação com a outra. Claro que pode existir desobediência com violência, mas nem sempre.

É por isso que digo que “discordar NÃO é brigar”.

Quando escrevo textos contrários as decisão da CBDA, ou de qualquer outro órgão, não quero na verdade comprar briga e usar de violência. Quero, por outro lado, estimular o pensamento de todos sobre se aquela decisão é a melhor possível, e se devemos ou não obedecer, e se temos meios legais ou não para combater os excessos.

Por esse motivo caro amigo, DEBATA, DISCUTA, DISCORDE. Faça seus direito civis valerem a pena. Nem tudo que nos mandam fazer é necessariamente certo.

Ao que me consta, nosso país adota a liberdade de expressão, não é mesmo.

Dessa forma, continuarei a escrever, debater e discutir, sempre que eu achar que alguma decisão tomada não é necessariamente a mais correta no meu humilde entendimento… E espero não ser retalhado por isso…

UM ABRAÇO!

FISCHER.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *