DO BLOG DO ALBERTO MURRAY…

Reproduzo Abaixo Um E-Mais Dos Muitos Que Tenho Recebido, Que Reflete A Preocupação Do Povo De Como Essa Patota Vai Lidar Com O Nosso Dinheiro. Essa É A Tônica Da Vitória.
Outubro 4, 2009

Autor: souzaletras
Comentário:
Bom, das duas uma, ou o país dá um salto de qualidade ou se joga no poço sem fundo, mas só vamos saber disso daqui a sete anos, depois dos Jogos, quando apresentrem as contas finais da farra.

Até lá só nos resta mesmo é fiscalizar e cobrar, hoje mesmo já dei início ao movimento pelo novo autódromo, a meu ver a primeira obra a ser entregue, já que a maior parte das instalações a serem construídas ficarão onde é hoje a pista de Jacarepaguá.

Mas, se durante esses próximos anos a cúpula do Comitê for totalmente renovada e um trabalho sério na base esportiva seja levado adiante, pelo menos terá valido a pena, pois terão sido lançadas as bases para que o esporte se instale na cultura do brasileiro não só como uma forma de ganhar dinheiro, mas como um sustentáculo moral e ético de nossa sociedade.

Está claro que prevaleceu o critério econômico na escolha do Brasil, vários países viram ali a chance de vender serviços e produtos para a candidatura, considerando que as duas últimas China e Londres não foram o maior exemplo de globalização dos investimentos, uma por ser uma economia fechada e outra por ter sido feita em plena situação de crise mundial.

Daqui a seis anos o mundo poderá estar bem diferente, o país poderá estar diferente, mas cabe agora lançar as bases para que essa melhoria aconteça, senão o futuro poderá se transformar em um amargo presente.

NOTA DO FISCHER:

Só acho que esse “papo” que está sendo massivamente dissiminado pela mídia onde “cabe ao povo fiscalizar as contas do Rio 2016”, é meio conversa mole e apenas demonstra o início da sacanagem…

Pergunto: Quais os meios e ferramentas que nós (povo) temos para fiscalizar as contas públicas do projeto Rio 2016?! E se existir tais meios (que eu sinceramente desconheço) quem sabe como fazer isso? Então digo, não cabe a nós fiscalizar, cabe a nós acreditar que o poder público não vai e não deve roubar! Crença essa que, cá pra nós, é um tanto quanto infundada… Nãó é?!

ABRAÇO!

FISCHER.

About Eduardo Fischer

Eduardo Fischer é catarinense e natural de Joinville. Ex-Atleta Olímpico de natação da seleção brasileira e medalha de bronze no Mundial de Moscou, Fischer defendeu o país em dois Jogos Olímpicos (Sydney/2000 e Atenas/2004), 6 Campeonatos Mundiais e 1 Pan-Americano (Prata e Bronze). Bacharel em Direito e Advogado pela OAB/SC, Eduardo é especialista em Direito Empresarial pela PUC/PR e em Direito Tributário pela LFG/SP. Atualmente aposentado das piscinas, trabalha com Consultoria Tributária em um respeitado escritório de Advocacia (CMMR Advogados).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *